segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

30 de Janeiro de 597 A.C. – O Império do Nada

 Ninguém sabe [e na verdade não há mais que uma meia dúzia ou menos de estudos minimamente sérios a respeito] por que o dia de hoje e o ano acima foram escolhidos para simbolizar o período em que [no atual território do Brasil] nada havia. [De fato, a hipótese mais plausível é que a data de hoje seria exatamente o aniversário do historiador José Osvaldo Spengler-Herrera, o que ainda deixaria por explicar o ano]. E o livro de Spengler-Herrera, surpreendentemente publicado em alemão [Brasiliens Erfolg – o sucesso brasileiro] foi o primeiro a dividir a história barsileira em fases – a primeira delas [não sem algum drama] denominada de O Império do Nada.

Esta Fase [caracterizada muito mais pela ausência de características] principia no começo dos temposaté a data de hoje, quando [segundo essa data arbitrária] os pioneiros Azkidis chegaram [no inevitável barco dos pioneiros] à costa hoje perto de Callao, no Peru [naquela época o Brasil atravessava todo o continente, sem consideração].

Império do Nada – nada mais seria que uma fase em que não existiam humanos no atual território [embora esta versão seja contestada]. De fato [e isso colaborou para o estado de semi-ostracismo que a obra de Herrera amargou por três décadas e meia] o pensador afirmou que A Terra Brasileira se tornara então habitada por gigantes [e afirmou que em certo lago em Goiás existem múmias de um casal de seis metros de altura]. Isso passou para a história como ficção, embora pretendesse ser história.

Nenhum comentário:

Postar um comentário